quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Ricky Martin, Luis Fonsi, Nicky Jam e Chayanne levan ajuda a Porto Rico

Olá pessoal! Duas semanas após a passagem do furacão Maria, as autoridades de Porto Rico continuam trabalhando para reconstruir suas paisagens e realocar seus sobreviventes.

E agora ainda ganharam ajudantes de peso: os músicos Luis Fonsi, Ricky Martin, Chayanne, Nicky Jam, Gloria e Emilio Estefan, e os ex-campeões Jorge Posada, Bernie Williams, Ivan "Pudge" Rodriguez, em um vôo que o intérprete de "Despacito" gerenciou em colaboração com JetBlue,que viajaram juntos nesta segunda-feira (2) à ilha para colaborar pessoalmente com os esforços.

Durante a manhã, o quarteto compartilhou fotos e vídeos em suas redes sociais para contar a novidade aos fãs. “Minha gente bonita de Porto Rico não está sozinha. A união faz a força! Vamos sair dessa”, escreveu Chayanne. “Por aí vamos, Porto Rico”, disse Martin. “Enfim chegamos! Vamos ao trabalho. Unidos somos maiores”, completou Fonsi.

Em seguida, Nicky publicou uma imagem que já mostra o grupo trabalhando pelas vítimas. Na foto, eles aparecem descarregando um caminhão com água e alimentos para doação. O cantor porto-riquenho Ricky Martin chegou à ilha na última segunda-feira para trazer ajuda aos seus compatriotas após o flagelo do furacão Maria em 20 de setembro passado, que deixou até terça-feira, terça-feira, 34 pessoas sem vida.

Veja o vídeo da chegada no aeroporto de San Juan.



"Vai demorar muito tempo para que minha ilha se torne o que era." O governador de Porto Rico, Ricardo Rossello, disse que custará aproximadamente US$ 90 bilhões para reconstruir a ilha. ajudem ... Milhares de famílias perderam TUDO ...... mas seus sorrisos e amor pela vida estão intactos. Somos otimistas. Tudo ficará bem e minha ilha brilhará de novo ", escreveu o artista porto-riquenho ao lado das imagens pungentes .

Ao chegar em Porto Rico, o grande grupo foi recebido pelo governador Ricardo Rosselló. E deram uma coletiva de imprensa:



"O mais importante é lembrar ao mundo que estamos tendo um momento difícil", disse Ricky Martin depois de sua chegada em Porto Rico. Gloria Estefan disse ao jornal porto-riquenho El Vocero que visitaria os hospitais infantis "para distribuir coisas, amar e abraços".
O vôo faz parte da iniciativa "100x35 JetBlue", que consistirá em 35 iniciativas nos próximos 100 dias e além para ajudar os membros da equipe, clientes e comunidades de Porto Rico.

Antes de se unirem, em segredo, Ricky Martin, Luis Fonsi, Chayanne e Nicky Jam já vinham trabalhado separadamente para ajudar na recuperação de Porto Rico. Chayanne vem trabalhando em parceria com a Cruz Vermelha. Nicky Jam enviou materiais de uso diário para a Ilha.

Luis Fonsi abriu um fundo de ajuda especialmente para o bairro de La Perla, onde ele filmou o videoclipe de Despacito. A região ficou totalmente devastada e destruiu o cenário do videoclipe mais visto da história. Já Ricky Martin está usando suas conexões em Hollywood para arrecadar a maior quantidade de dinheiro possível. O fundo criado pelo borícua já tem quase 2 milhões de dólares. Nomes como Leonardo Di Caprio estão entre os doadores.

Ricky Martin leva ajuda a Loiza:

Loíza - "Hoje eu não me banho!", Exclamou Rosa Davila rindo depois de estar em seu quarto com o cantor Ricky Martin, que subiu ao segundo nível da residência carregando uma caixa de água e outra de comida como parte de um primeiro esforço para ajudar as pessoas afetadas pelo furacão Maria. "Ricky Martin na minha casa!" Comemorou a mulher, que disse que estava "eriçada" pela visita surpresa que, sem dúvida, o fez esquecer por um momento as necessidades que vivem na comunidade perto da Cueva María de la Cruzar em Loíza.

"Esta noite, eu não durmo", foi a última coisa que ouviu de Davila depois que o artista pediu calma para retornar a Porto Rico que todos sabiam antes de 20 de setembro.



A primeira parada foi no Centro Tau, estabelecido pela fundação que tem seu nome, e de lá saiu em uma caravana para as comunidades Villa Hugo 3 (La Vaca) e La Cueva. Ele foi acompanhado em outro veículo pelos prefeitos Julia Nazario, de Loiza e Carmen Yulin Cruz, de San Juan. Esta última compartilhou parte da comida que recebeu da empresa Goya para entregá-los aos Loiceños.

Ele disse que fará o mesmo com as cidades de Comerio, Ponce e San Lorenzo. Também foi o Secretário de Recreação e Esportes, Waldemar Volmar Méndez.

A família Lacén ficou atônita com a chegada do intérprete, que imediatamente se aproximou dele para expressar sua solidariedade e sua esperança. "Nós vamos lutar muito para que se Puerto Rico brilhe, ele vai brilhar muito mais", disse ele enquanto uma jovem o ouvia com emoção. Levando essas palavras como um estímulo no meio da tempestade emocional e econômica deixada pelo furacão.

Juan Villanueva deixou seu abrigo, um antigo rancho de animais, e quando se encontrar com Martin era tanto a alegria que mesmo o carregava. "Pussy!" Ele gritou e o que ele fez foi revirar a risada.

"Nós tínhamos tudo e Maria aceitou, mas não tenho ódio", disse o humilde cavalheiro, 70 anos. O vocalista aceitou o convite e entrou no espaço sujo e escuro que agora é o "telhado seguro" de Villanueva.

"Estou fedendo, mas feliz", o homem disse adeus, grato pelos suprimentos que recebeu. Da mesma forma, eles reagiram Clemente Rodriguez e Ramon Vega pelos minutos de alegria que lhes deram a estrela pop.

Depois de ver toda a devastação, a necessidade, a sede e a incerteza deixada pelo furacão Maria entre as pessoas, disse Martin, o acordará em dois ou três dias, apertando os punhos na parede com frustração, mas também com a força para ser soluções criativas. "É importante modernizar Porto Rico no que é energia e o que estamos fazendo com o Leonardo Di Caprio vai nos ajudar muito", disse ele em relação às 35 malas solares que ambos vão doar para o país.

"Quero conhecer as pessoas, as vítimas, que perderam a casa, que não têm comida e que compartilham com você sua coragem, sua frustração, sua indignação, mas todos têm um sorriso nos lábios, e é isso mesmo nos torna porto-riquenhos, que nos pires momentos, apertam as mãos, dão o abraço ", disse a voz de" Volte ".

"É loucura porque lá eles nos vêem festejando e eles dizem: 'Venha, eles são bons', e não, merda, esse é o nosso espírito, precisamos de música como mecanismo de defesa , está em nossa cultura e não podemos evitar isso ". O artista disse que esta viagem será a primeira de muitas, mas também precisa ir para o exterior para aumentar a conscientização e conseguir mais alianças.

"Nós vamos nos anos que vem de reconstrução e eu quero fazer parte da reconstrução. Claro, tenho que ir, porque eu tenho que falar e tenho que deixar o mundo conhecer e os amigos e os aliados sobre o que está acontecendo e depois voltar com os frutos ", disse ele.


>

Fonte: Metro PR
Tradução: Claudia Salgado