sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Ricky Martin: Hoje há mais escravos do que nunca antes na história

Olá pessoal! Confiram a tradução do artigo que nosso querido Ricky Martin escreveu para o site Huffington Post sobre a escravidão moderna.

Ricky Martin: Hoje há mais escravos do que nunca antes na história

"Aproximadamente 45 milhões de pessoas são vítimas de tráfico de seres humanos no mundo, dos quais 13 milhões são crianças e jovens. A minha luta para combater este crime horrível tem siso o meu norte humanitária".

Resgatar três meninas que iam ser vendidas como prostitutas em uma viagem que fiz para a Índia em 2002 mudou a minha vida para sempre. Foi o meu primeiro encontro com o crime de tráfico de seres humanos, também conhecido como a escravidão moderna. Sabendo que a escravidão não era uma coisa do passado me deixou atordoado, chocado. Logo percebi que assistir a um crime invisível para muitos, mas de proporções epidêmicas, me tornava um cúmplice por não agir.

Desde então minha luta para combater este crime horrível foi o meu norte humanitário. Após a viajar e conhecer grandes abolicionistas modernos na capital dos Estados Unidos, concentrei toda a minha estratégia da minha fundação pública para denunciar o tráfico humano, usando a educação como uma plataforma de ação social.

Os diálogos que tive há uma década com organizações parceiras reafirmam hoje a minha trajetória humanitária. O poder de convocar, graças a minha profissão como artista, me permite ser um defensor para as populações vulneráveis. O tráfico de pessoas é um dos mais ferozes violações dos direitos humanos e vou denunciar todo esse cenário. Em junho eu estava no Líbano como Embaixador da Boa Vontade para a UNICEF para aumentar a conscientização sobre as milhões de crianças e jovens refugiados que são vulneráveis ​​à exploração. Também nesta turnê mundial tenho vindo a apresentar, durante os concertos, a realidade do tráfico de seres humanos através de um trabalho videográfico. Tudo para abrir os olhos para esta atrocidade.

Hoje há mais escravos do que nunca antes na história. Aproximadamente 45 milhões de pessoas são vítimas de tráfico de seres humanos no mundo, dos quais 13 milhões são crianças e jovens. Sendo pai, a luta se intensificou porque as vítimas deste crime podem ser crianças e nos toca como uma sociedade diálogar com os nossos filhos sobre este crime. Para os meus filhos eu falo de direitos humanos, e à medida que crescem eu vou explicando sobre as injustiças.

O tráfico de pessoas é o segundo crime mais lucrativo do mundo e gera US$ 150 bilhões de dólares anualmente. Nenhum país está isento deste crime organizado. É um crime que não tem limites, sem fronteiras. Ele também tem formas múltiplas e complexas, incluindo: trabalho escravo, a exploração do trabalho, exploração sexual, prostituição e o casamento forçado, entre outros.

Ninguém deve ser explorado e despojado de sua liberdade. Na Fundação, estamos convencidos de que todas as crianças têm direito à sua infância e seus direitos humanos devem ser protegidos. Como abolicionistas modernos, nós combatemos o tráfico humano através de programas de educação e sensibilização. O seu apoio para nossa organização sem fins lucrativos, fortalece as nossas pesquisas pioneiras, campanhas de sensibilização, workshops, programas de prevenção nas escolas e os esforços de advocacia, mas principalmente fortalece esta geração.

Para evitar este crime construí em Porto Rico o Centro Tau, onde oferecemos em parceria uma formação holística educativa a 140 participantes de dois meses de idade até se graduarem. Nós também lideramos uma pesquisa pioneira seguindo o Projeto de Proteção com a Universidade de Puerto Rico e, consequentemente, o tráfico humano foi criminalizada no Código Penal. No mês de fevereiro, graças à nossa liderança, é o mês de luta anti-tráfico. Agora em novembro e dezembro, pelo quinto ano consecutivo teremos a nossa exposição pedagógica em um pavilhão no centro comercial "Plaza Las Americas" (em Porto Rico), projeto onde trabalhamos com voluntários e cerca de 300.000 pessoas já participaram.

Esta luta somente se pode ganhar se trabalharmos em parceria. A parceria que temos com a Fundação Eva Longoria retrata o compromisso dos dois ativistas que se reúnem para fazer avançar os direitos humanos de populações vulneráveis. Juntos, fortalecermos as nossas missões e neste 12 de novembro teremos o "Global Gift Gala" do México porque precisamos de investidores sociais, guerreiros comprometidas com a justiça social.

Por Ricky Martin
Tradução: Claudia Salgado