quarta-feira, 15 de junho de 2016

Carta aberta de Ricky Martin sobre massacre de Orlando: "Nunca deixarei de lutar pelo amor"

Olá pessoal!

Leiam a tradução da carta que Ricky Martin escreveu se posicionando sobre a tragedia de Orlando.

Ricky Martin: "Nunca deixarei de lutar pelo amor"

Dói-me como um homem, como um ser humano, como gay, porque muitas das vítimas eram irmãos e irmãs na comunidade LGBT.

Embora eu esteja fora do país, meu coração está em Orlando. Eu não posso ainda acreditar que este indivíduo era um homem tão cheio de ódio, que no dia 12 de junho matou 49 pessoas e feriu outras 53. As pessoas que, ao contrário dele, estavam comemorando o amor, a liberdade e a vida. No meu coração tento buscar a calma necessária para poder desabafar através deste artigo e compartilhar com vocês a minha sensação em meio a este tão importante processo de luto. A tragédia em Orlando dói de tantas maneiras. Dói-me como um homem, como um ser humano, como uma pessoa gay, porque muitas das vítimas eram irmãos e irmãs na comunidade LGBT. Isso me causa dor, tristeza e indignação.

Quando eu leio os jornais e vejo as notícias, a mídia descreveu este ato como um ataque motivado pelo ódio e um atentado terrorista. Várias fontes indicam que este indivíduo visitou frequentemente a boate no ano passado. Alguns concluem que foi um ato motivado pela "homofobia internalizada", que é quando uma lésbica, gay, bissexual ou transgênero sente ódio por sua própria comunidade.

No entanto, o propósito deste ato absurdo é claro: aterrorizar a comunidade LGBT e em nossa sociedade que valoriza as liberdades fundamentais e os direitos civis para todos, e espalhar o ódio através do maior tiroteio em massa na história dos Estados Unidos. Este fato também tem mostrado que neste país as leis de armas de fogo TEM que mudar. No entanto, a minha fé na humanidade é maior do que isso. Eu acredito que o amor pode superar tudo, mas eu também acho que temos que nos unir e acabar com este ódio.

Então, por que essas 102 pessoas foram baleadas? É por causa de quem eles escolhem para amar? Porque eles estavam celebrando a sua igualdade e seus direitos civis? Que coisas tão terríveis estavam fazendo para que um homem senti-se a necessidade de dirigir de carro para Orlando, Flórida, com um rifle de assalto modelo AR-15 e uma arma de fogo estimulado pelo desejo de matar tantas pessoas nessa comunidade como lhe permitiram as balas e o tempo? Quando vejo no noticiário o sofrimento de mães, pais, parentes e amigos por este ato sem sentido, eu sinto dor no meu coração. Eu não pude conter as lágrimas quando eu li as mensagens de texto enviadas para as vítimas por seus entes queridos minutos antes de serem executados a sangue frio. Se espalhou uma onda de medo em toda a comunidade LGBT e em nossa sociedade em geral. A comunidade LGBT é o mais recente alvo de tal violência, que incluiu, entre outros, jornalistas, trabalhadores de escritório e viajantes. Ainda assim, eu lhes peço para sejamos fortes e não nos rendamos ao medo. Esses atos horríveis e covardes, destinados para nos silenciar e reprimir, devem nos unir ainda mais. Não podemos permitir que o ódio triunfe, e nós não podemos permanecer em silêncio e nos esconder.

Parece que as últimas notícias são cada vez mais cheias de ódio e intolerância. Temos crescido como uma sociedade à medida que caminhamos para uma maior inclusão, solidaria e de aceitação, e devemos continuar neste caminho e sempre rejeitam a divisão e o ressentimento. Os Estados Unidos é mais forte quando se afirma com nas suas bases solidamente construídas sobre a fé na liberdade; cujas leis foram forjadas para colocar distância dos regimes que sufocam a individualidade; um país que aceita as diferenças com os braços abertos e está ciente de que a sua grandeza reside na sua população. Estes são ideais pelo que lutamos no esforço sem fim para construir um mundo melhor. Muitas vezes nos deparamos com dificuldades em nossos esforços, mas nunca devemos dar completa esta missão. Esta tragédia inexplicável em Orlando é o exemplo perfeito de por que isso não é certo que as pessoas no poder utilizem o ódio e o medo para enfatizar sua retórica política e religiosa. Como uma sociedade nunca devemos ignorar ou aceitar que o ódio, o racismo e a intolerância se tornem parte de nossas conversas diárias. Este indivíduo era um homem que permitiu que o ódio lhe consumi-se ao ponto de assassinar 49 homens e mulheres que não fizeram nada, mas orgulhosamente viviam uma vida digna. É hora de redirecionar a conversa. Devemos falar a linguagem do amor e abertamente rejeitar o ódio, venha de onde vier.

Atualmente, muitas pessoas continuam a defender o indefensável. Há várias questões em jogo nesta situação, mas não podemos negar é que os Estados Unidos têm um problema com a violência causada por armas de fogo. Quantas vidas mais devem ser sacrificadas para fazer algo sobre a nossa legislação tão fraca sobre armas de fogo? Como é que é possível para uma pessoa previamente ligada ao terrorismo e interrogada várias vezes pelo FBI seja autorizada a trabalhar como guarda de segurança e também tenha a possibilidade de adquirir legalmente armas de fogo? Como podemos continuar a afirmar uma alteração ratificada em 1791 para justificar uma proliferação inconcebível de armas de fogo nos Estados Unidos? Sabem o que mais era permitido no ano de 1791? A escravidão, duelos até a morte como uma forma legítima de resolver as divergências, sexo consensual com crianças com mais de 10 anos na maioria dos estados (em Delaware, com crianças com mais de 7 anos), espancamento das esposas como uma mostra válida da autoridade dos maridos sobre elas, e uma lista quase infinita de outros absurdos. Atualmente, somos mais sábios como uma sociedade. Somos mais civilizados. Como disse o presidente Obama: "Não fazer nada também é uma decisão". As pessoas continuam dizendo que portar armas é seu direito. E o que acontece com o nosso direito de nos sentirmos seguros?

Eu lhes peço para QUEBRAR O SILÊNCIO e chamar a todos e a cada um dos seus congressistas (e aos que votaram para que lhes representem, a você e aos seus ideais) 10 vezes por dia até que façam alguma coisa. Coloque um alarme em seu relógio para não se esquecer, se necessário, mas os chame. Finalmente, não parem de AMAR. Amem com todo o seu coração. Ame aqueles que estão perto de você e aqueles que você não conhece. Seja gentil, carinhoso, compreensivo, compassivo, generoso. Preencham suas vidas e suas palavras apenas com amor. Eu tenho fé na humanidade. Eu me recuso a aceitar que este é o mundo que meus filhos herdarão. Eu nunca vou parar de lutar por amor.

Por: Ricky Martin
Tradução: Cláudia Salgado