terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Ricky Martin: "O sábio é capaz de mudar sua mente"

Olá pessoal!! Confiram a tradução da entrevista que Ricky Martin concedeu a revista Caras da Argentina.

Ricky Martin: Íntimo e reflexivo na Argentina

Sua figura perfeita parece desenhar sobre a geleira quando ele posa para fotos. Como artista é completo: belo, cantor, compositor e dança muito bem. Sábado 20, Ricky Martin (44) fez delirar 25000 pessoas com sua música no teatro da floresta, em El Calafate. Foi um marco na "One World Tour-2016" e no domingo visitou os glaciares no cruzeiro Santa Cruz e ficou fascinado com a contundência da paisagem: "Tão imponente. Uma vez na vida temos que vir testemunhar essa obra de arte que nos dá a natureza. Temos que cuidar do meio ambiente e onde quer que esteja, vou falar do Perito Moreno".

Sem dúvida, está no seu melhor. Profissionalmente, acaba de ganhar um Grammy como "Melhor Álbum Pop Latino" pelo seu mais recente trabalho "A Quien Quiera Escuchar", os ingressos para onde se apresentará em breve (Neuquén, Mendoza, San Juan, Córdoba, Rosario, Junín, Chaco, Tucumán, Mar del Plata, Montevidéu e Assunção) estão esgotados. Em Buenos Aires, um show foi adicionado aos dois que já foram planejados e serão apresentados no Velez nos dias 11 e 12 de março e 24 na Arena Direct TV. Homens e mulheres de diferentes idades "morreriam" por ele e escolhem dia-a-dia. No entanto, sua humildade e o estilo genuíno que escolheu para a sua vida estão intactos.

Em meio a uma paisagem de sonho, o cantor falou com "Caras" com exclusividade e a harmonia parecia incorporada a sua imagem como algo natural. Tem uma voz doce e pausada. Ele de repente explode de alegria com alguma lembrança ou se torna melancólico quando pensa em algo triste. Se emociona quando fala dos gêmeos, Matteo e Valentino, de sete anos e  um gesto doce, quando ele diz: "minha vida eu desfrutei de tudo". É transparente, mesmo se ele usa a palavra "obscuro" para referir-se às fases de ansiedade ou insegurança. Tem o cabelo impecavelmente cortado e algo mais claro na parte superior. Mãos com unhas polidas acompanham suas palavras tentando explicar melhor os seus pensamentos. Seu corpo, privilegiado, lhe permite usar chinelos, borcegos, camisas apertadas e tudo o que lhe agrada, sem deixar de olhar charmoso. O ritmo latino que leva em seu sangue o faz brilhar no palco com movimentos que hipnotizam seus fãs. E só com o olhar ele se entende com Joselo, seu empresário há 30 anos. 

Toma muita água, come saudável, mas não se priva de nada do que gosta. Aproveite cada momento ao máximo, mas como o diz "Caminhe pela vida com calma". Seu carisma é tão forte que, tão logo ele sai no palco há uma explosão. A conexão com o seu público é imediata e quando atinge o fechamento do show com "La Mordidita" o estádio de ruge. "A magia são eles. Causar em mim algo especial. O show que será em Buenos Aires será impressionante. Tem uma produção incrível. Eu me divirto no palco. Eu sou apaixonado pelo que faço. Eu posso desabafar. Minhas tournées são diferentes entre si. Algumas um pouco mais obscuras, outras mais romântico. Nesta turnê, queria mostrar os altos e baixos que passei em minha vida. O que eu quero é ensinar onde estou agora, minha preocupações e alegrias. E a energia é catarse."

- Como foi ganhar outro Grammy por  "Melhor álbum Pop Latino?

Ricky - Este Grammy que me outorga a Academia Nacional de Gravação de Artes e Ciências dos Estados Unidos eu o ganhei pela segunda vez. Naquele dia eu estava em casa, descontraído e de repente verificando meu telefone e vi uma mensagem: "Cavaleiro, quero parabenizá-lo pelo seu Grammy". Eu senti uma explosão de alegria no meu peito. E eu tenho quatro Grammys latinos. Seis no total. É sempre uma felicidade, porque eu faço as coisas com paixão e sacrifício. Há muitas horas no estúdio, muitas horas à procura de vulnerabilidade.

- Você é muito disciplinado no seu trabalho?
Ricky - Não sei outra maneira de fazer um sucesso que não é com disciplina, dedicação e sacrifício. Deve haver sempre um foco, um centro. E a paixão.

-Você usa muito a paixão palavra quando fala de sua profissão...
Ricky - É que se perco a paixão, é melhor que você vá para sua casa. Todo trabalho envolve sacrifício e se não se apaixona pelo o que você está fazendo, você não consegue seguir em frente.

- Você também está apaixonado em sua vida pessoal?
Ricky - Em minha vida tenho desfrutado de tudo! Para  mim nada conta nada. Eu vivo intensamente. Não sou apegado a nada.

- Quando você compõe, você se inspira em você ou em outras histórias de vida?
Ricky - Quando eu faço música eu sofro muito. Para ser capaz de compor. Este álbum "A Quien Quiera Escuchar" (tem temas como Adiós, "Disparo al Corazón", "Isla bela", "La Morididita", entre outros) falar sobre minha vida. Cada vez que eu canto uma canção eu sinto que me transfiro para um lugar da minha história. A composição é um jogo de palavras cruzadas de dor embora seja uma canção festiva. Apesar do som rítmico, há um lado negro.

- Sente que as pessoas se identificam com suas letras?
Ricky Essa é a explicação a resposta do povo. Minhas músicas vem por uma razão ou outra.

- Mulheres e homens concordam como você está bem, bonito... com ter que ver que o sucesso com ambos os sexos que?
Ricky - Com o genuíno. Transparência levou-me a outro nível. Eu quero estar em constante processo de evolução. Ter uma mente aberta. E não apegar-se a qualquer tipo de código que tinha sido criado no passado. Eu vivo com muito agradecimento pelos altos e baixos. Ser sábio é saber mudar de idéia. Os tolos não mudam suas mentes. Eles vêm de uma ordem divina e se um não entende as razões até que os anos tenham passado e você entende que você teve que passar por isso. Para mim a vida não é tão complicada apenas me preocupe com coisas que valem a pena.

- Deve ser uma mudança muito importante passar um cenário onde você é aclamado por dezenas de milhares de pessoas a solidão ou o silêncio do seu quarto...
RickyEm momentos, quando baixa a onda, o silêncio é bom. Ajuda a sair do caos. A meditação traz você mais perto de seu espírito e de Deus. E isto é o que me ajuda. Quando pela manhã eu não acordo bem, ou penso em coisas feias, penso que vai passar. Há manhãs escuras e há também manhãs muito belas


- O que te ajuda nos momentos escuros?
Ricky - Meus filhos. Eu os vejo e digo: não há nenhuma opção que eu tenho que estar bem!. E quando eu sinto a incerteza, insegurança e esses sentimentos que podem levar você a um lugar mais escuro, eu paro e caio em posição de lótus. Minhas viagens à Índia, me deram muito, eu me encontrei com meu guru que é o silêncio e eu sei que tenho ferramentas. Encontrar o silêncio no caos, na euforia é muito bom. Embora existam muitas coisas ainda que tenho que resolver.

- E no aspecto da sentimental como você está?.
Ricky - Estou muito bem!. Sou transparente e jurei não esconder nada. Especialmente no amor. Amor deve ser celebradp. Eu estou analisando uma situação que está me dando a vida que é muito interessante e em um mês, talvez possa dizer: "Eu vou abrir a porta, ou você sabe o que? É melhor não". Decido com calma, passo a passo e eu gosto de onde estou.

- Uma vez você disse que quando teve os seus filhos nos braços pela primeira vez "o mundo parou e você sentiu o amor em seu estado mais puro"
Ricky - Foi tal e qual. Hoje eu olho para eles e eu sinto o mesmo. O amor por eles é incondicional. Eu testemunhei seu nascimento. Os gêmeos nasceram de uma barriga "emprestada". Eu sou mãe e pai deles e eles sabem disso. Eu me preparei mais de um ano para recebê-los. Li livros sobre paternidade. Estudei e passei os primeiros meses de suas vidas "sujeitado" a essas belas criaturas. É uma etapa  onde você não dorme, não tem tempo para comer. Você se preocupa porque eles estão bem. E de repente fazem um gesto que pode ser por um gás e você acha que eles sorriem para você e celebras isso como uma festa! E sentes que antes nada te satisfazia  e partir deles você se contenta com tão pouco!

- Como você é como pai?
Ricky - Eu sou um disciplinador. Deve haver um equilíbrio em tudo. Eu gosto que meus filhos corram, que se sujem, que entrem na lama, a montanha, o mar, os jogos. Mas eu sempre tento chegar a um acordo. Digo-lhes: "Prometi que ia fazer isto se você fizesse o que pedi, mas como você não fez o que foi acordado não será capaz de fazer isso". Então te olham e te manipulam e te dão um abraço... e  você se torna mel.

- Como eles lidam com o fato de ter um pai famoso e cantor?
Ricky - Como algo natural. Eles entendem a minha música. Desde que nasceram eu os levo em todos os lugares. Temos um circulo de vida nômade. Eles cresceram encima de um avião. Eu também comecei desde muito jovem. Quando eles cresceram o suficiente comecei a trazê-los para os meus shows. No início, disseram-me: 'você é Ricky Martin! " e eu respondi-lhes: "Eu sou o Papai" e eles insistiram: "não!" Você é Ricky Martin". Eles viajam sempre comigo e com um tutor (professor) que lhes ensina. A sala transforma-se em sala de aula e estudo.


- Como eles são?
Ricky - Apesar de serem gêmeos eles são muito diferentes. Quando eles nasceram eu decidi colocar Matteo porque em Hebraico, significa "Presente de Deus" e Valentino, porque quando eu o tive em meus braços, eu vi que ele era muito valente (corajoso). É como se eu decreta-se sua coragem com o seu nome, porque hoje ele não tem medo de nada. Ele entra no mar, sobe nas coisas, ele é um guerreiro e é também um sensitivo. Ele gosta da terra, das flores, é muito romântico. Me deixa gelado com o seu vocabulário. Matteo é brilhante. Vive fazendo perguntas. Muito inteligente. Os dois me surpreendessem cada um em seu estilo.

- Gostaria de ter mais filhos?
Ricky -Sim! A menina certamente virá no próximo ano.

- O que seus pais significam na sua vida?
Ricky - Força, segurança. Meus pais se separaram quando eu era muito jovem. Mas eles eram muito próximos, bem como a minha avó. Nereida e Enrique me dão uma ajuda muito grande com meus filhos. Eu passa a ser o segundo. Em primeiro lugar, estão as crianças para eles. É uma sorte tê-los. Meus pais são duas almas muito fortes e felizmente eu os considero amigos, lhes conto tudo: minhas dores de cabeça, meus altos e baixos, meus sonhos, minhas fantasias, minhas decepções. Meus amigos dizem que como posso contar meus segredos para os seus pais?! E, sim, eu o faço. E eles têm uma mente aberta e eu confio totalmente.

- Como você cuida dessa imagem muito amada por seus fãs?

Ricky - Eu me cuido, mas eu poderia me cuidar muito mais. Quando estou no palco são quase duas horas de atividade cardiovascular. Imagine! Tudo aeróbico. Com a turnê eu não posso fazer bem a minha rotina física. Em dezembro eu estava em minha casa de Porto Rico, de frente para o mar e sai para correr no início da manhã geralmente eu corro 3 km - então fiz capoeira e meditação. É só meia hora de oxigenação e conexão. Lembro-me que era dezembro e tinha programação para as festas e eu desfrutei com todos, mas às 07 da manhã estava na praia fazendo a minha rotina. Neste momento estou quase não faço exercício com pesos.

- Você compra suas roupas, e você escolher o seu estilo?
Ricky - Eu não posso fazer compras. Eu tenho uma estilista, Douglas VanLanningham, que é um gênio e que vem para casa com um cabide e escolhemos meu guarda-roupa. Às vezes eu digo para ele: 'Isto é muito para mim' e ele me diz: "Em seis meses não será muito para ti". Ele sempre acerta. Em Buenos Aires, vou usar um figurino mais colorido.

- Você escolhe as roupas dos seus filhos?
Ricky - Eu lido com isso. Eu vou para uma loja de crianças em Nova York que me alucina. E eu compro tudo o que eu gosto para eles. Os avós se ocupam com os brinquedos. Eles têm tantos que agora que não sabemos onde colocá-los. Eu quero que quando eles ganhem um, eles doem outro. Eles têm tios, amigos que sempre que cada vez que eles vieram em casa para trazer-lhes um presente e eu os ensino a dizer obrigado. O agradecimento deve ser praticado desde cedo para então torna-se algo natural.

- Você tem planos para depois da turnê?
Ricky - Eu vou por três meses dar uma volta ao mundo, para lugares que eu ainda não fui. Eu quero buscar  mais informações para escrever canções. Tirar fotos. Para contar e depois entrar em um estúdio para gravar. Eu também quero me dedicar a minha Fundação, que resgata as crianças do tráfico de seres humanos. Temos 115 crianças que estiveram em risco e que estão em um Centro Holístico para crianças. Esta em Porto Rico, é secular e fazem meditação. Eles são crianças em risco de cair no tráfico. Quando você ouve os testemunhos do que eles sofeream, o sentimento é tão forte que deve converte-lo em amor para liberta-se do mal. Decidimos começar o trabalho, e espero que podemos fazer isso na Argentina também.

- Você sente que você tem alguma "Asignatura Pendiente"?
- Não tenho "asignaturas pendientes" (negócios inacabados". Antes eu tinha. Já não. Eu tenho 30 anos sobre isso. Meus álbuns ainda estão vendendo, os concertos estão cheios. Vivo a minha vida ao máximo. O que mais eu posso pedir?

Fonte: Caras Argentina
Tradução: Claudia Salgado