sexta-feira, 29 de maio de 2015

Ricky Martin em turnê: "Meu filhos vem sempre com o papai"

Olá pessoal!
Ricky está feliz na Espanha! Confiram a tradução da entrevista que ele concedeu ao site Chance/Europapress onde fala dos filhos e seus planos para o futuro.

Ricky Martin em turnê: "Meus filhos me levou para todos os lados"

 MADRID, 29 de maio. (Chance) - Ricky Martin voltou ao nosso país com mais vontade do que nunca. O porto-riquenho foi a estrela dos prêmios Cadena 100 com a presença de várias celebridades do mundo da música. O cantor latino vive um de seus momentos especiais familiar e profissionalmente. Um super pai é como ele pode ser definido, ele mesmo quer que seus filhos o acompanhem durante sua turnê.

"Meus filhos vivem felizes porque eles estão perto de papai. Para eles é normal. Meus filhos estão felizes e isso é o que mais importa," disse  Ricky Martin: "Os carrego comigo por todos os lados e os meus filhos não sabem de nada"

CHANCE (CH): Com este trabalho que você faz na turnê. É uma turnê familiarmente é díficil! Eles ficam bem?
RICKY MARTIN (RM): Eu sei que há outra maneira de fazer isso. Meus filhos vivem felizes porque eles estão perto de papai. Levo-os comigo por todos os lados e os meus filhos não sabem mais nada. Para eles é normal. Estou muito grato pelo que me deu esta carreira e esta vida está em conhecer pessoas maravilhosas, pessoas diferentes ...

CH: Eles estão conscientes?
RM: Eles estão conscientes, mas também não, porque eles não conhecem outra coisa, é sua vida. Eles têm os seus amigos. Meus filhos estão felizes e isso é o que mais importa.

CH: Você está em Barcelona para pegar um prêmio e já não causar excitação estas coisas?
RM: É sempre bom voltar para a Espanha, obviamente, vir a Barcelona é sempre maravilhoso

CH: Que balanço você faz de sua carreira? 
R. M.: Eu vivi muitos anos no passado e não viver no momento e eu perdi muito. Eu sou muito grato a experiência, ao maravilhoso início da minha carreira, um monte de trabalho, mas eu tenho apenas uma obsessão com o meu trabalho, eu amo o que eu faço, eu amo o palco, em uma semana visitando cinco cidades e é maravilhoso. Musicalmente teve altos e baixos e mais importante para mim é o momento. "A Quien Quiera Escuchar" é um registro de transparência, honestidade, falar sobre o que eu experimentei e que eu estou vivendo e, felizmente, críticos e fãs estão gostando e estou muito feliz.

CH: Por que você se despiu neste registro que era tão pessoal?
RM: Eu acho que todos os discos são muito pessoais. Este álbum senti que o processo criativo foi natural, não forçado, eu estava em turnê e quando eu me trancava em um estúdio, porque eu precisava desabafar. Nível de maturidade em que a minha identidade é muito forte, e eu estou cercado por grandes músicos, compositores, que me ajudaram a levar isso para outro nível.

CH: Até que ponto é autobiográfico?
R.M.:. Absolutamente. É minha vida.

CH: O que nos ensinam sobre você? 
RM: vocabulário simples, nada elaborado, fácil de entender, maior transparência, sem medos. Eu acho que é mais importante para dizer o que sinto, para falar o que eu passei, todos nós iremos identificar-nos porque fala de amor, desgosto e amor antes do amor. É muito real. Eu não uso máscaras em qualquer aspecto.

CH: E nível de som como você definiria isso?
R. M.:. Muito real. Eu estou trabalhando com grandes músicos, a tecnologia nos ajuda, eu queria voltar para o estúdio e trabalhar com a alma dos músicos, os músicos me presentearam sua história através dos instrumentos.

CH: Como você se inspira?
R. M.:. É apenas uma coisa incrível. Você não sabe como e quando para obter inspiração. Em outras ocasiões eu fiquei trancado meses no estúdio de gravação da minha música, obcecado, à procura de inspiração, o assunto pode ser um processo que te enche de ansiedade, mas desta vez entrei no estúdio quando a inspiração veio, nada forçado. Processo cheio de calma e carinho.

Video:



Fonte: Chance/Europapress
Texto: Claudia Salgado