quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Ricky Martin: "Aceito que eu não sou uma moedinha de ouro"

Olá pessoal! Confiram a entrevista que nosso amado Ricky Martin concedeu ao jornal "Primera Hora" onde ele fala do novo álbum, sobre o Picollo Universe, da família, dos filhos e quais os planos para 2015.

Ricky Martin: "Aceito que eu não sou uma moedinha de ouro"

Seguir Ricky Martin no Twitter provoca a sensação de que ele é um conhecido, é um amigo próximo. Ler seus tweets permite que você saiba o que o incomoda ou o emociona. Ele escreve na rede social quase todos os dias, às vezes duas três mensagens, o que revela detalhes de sua carreira, pontos de vista sobre um tema atual ou compartilha uma foto curtindo alguma praia, essas imagens que provocam inveja.

As redes sociais são úteis e Ricky sabe. Às usa de acordo com o seu gosto e conveniência. Seus fãs comemoram, porque a ferramenta tecnológica une as distâncias físicas, de modo que eles se sentem próximos a seu ídolo. E a mídia (imprensa) também sabe que a rede social é uma maneira de rastrear, de saber, o que o cantor está fazendo para encontrar conteúdo para suas notícias.

"É bom que as pessoas me ouçam e que os meios de comunicação estão interessados no que eu tenho a dizer", disse o cantor ao iniciar uma conversa centrada em seu novo álbum, que chega às lojas hoje, mas durante a qual nós falamos sobre um monte de assuntos.

"É uma responsabilidade muito grande, por isso os meus tweets e as minhas fotos não são atos compulsivos. Eles são premeditados. Eu vejo os prós e contras do que pode acontecer se eu escrever ou não escrever. Eu não me levanto à meia-noite e começo a escrever. As redes sociais são uma ferramenta maravilhosa para compartilhar informações. O que eu compartilho nem sempre é apreciado por todos. Eu aceito que eu não sou uma moedinha de ouro para tudo o que você diz, tudo que você faz, e todo mundo concorda ", acrescenta.

No dia 6 de janeiro, apenas dois dias depois de usar as redes sociais para negar a sua própria morte, Ricky apresenta no Twitter a capa de seu novo álbum.  " A Quien Quiera Escuchar", que vem quatro anos após o álbum anterior. O álbum é composto por dez canções que andam entre ritmo e romântico, entre dança e melodia, entre a celebração da própria vida e assuntos do coração.

"Alguns poderiam dizer que a fusão  que eu criei é complicada, mas é o que eu venho fazendo, é como o meu espaço, a minha zona de conforto, criar é fusão. Trazer o latino e juntá-lo com o anglo-saxão. Inevitavelmente é influenciado por vários estilos musicais. As letras são bastante honestas, bem transparentes, letras que descrevem a experiência. Letras de músicas que falam sobre o amor, decepção, inseguranças, de quando pedir desculpas. Mas também há ritmos alegres que fazem parte da minha música " explica.

"A Quien Quiera Escuchar", seu décimo álbum de estúdio, é como a própria vida, apontando para as emoções específicas. E as matérias abrangidas em suas letras vêm à luz, de acordo com ele, sem medo do que as pessoas iram dizer.

Do novo repertório já escutamos a contagiante "Adiós"e agora a música romântica "Disparo al Corazón"é hit que está sendo promovido.

Ricky Martin  se traduz no palco em uma mistura explosiva de ritmos que convidam para dançar e se divertir, mas também introduziu uma rota romântica capaz de retratar os diferentes estados do coração. Ser conhecido em ambas as extremidades. Ele se move facilmente de um ponto a outro e este novo álbum não é exceção. Este será evidenciado no repertório que está se preparando para sua próxima turnê internacional.

"Na última turnê de quatro meses que eu fiz para o México criei um medley de baladas que fizeram com que houvesse "sangue" nos meus shows. Eu coloquei toda a platéia para cantar baladas. Haverá "pachanga", como nós dizemos, com a taça (de vida), La Bomba, por arriba, por abajo, mas  correrá sangue com baladas como Vuelve, Te olvido te Amo, Tal vez e Asignatura pendiente”

Acontece que Ricky vai dar um novo rumo para o mundo. A turnê vai começar em abril, na Nova Zelândia, continua para a Ásia e no verão vai para a Europa.

"Quem não gosta de um verão no Mediterrâneo?" Ele diz com um sorriso. Ainda este ano ele vai se apresentar no Coliseo de Puerto Rico. De qualquer forma, nos Estados Unidos, vai acontecer 32 concertos. Na Austrália, são 12. Na Nova Zelândia 7. Não há uma turnê tão extensa de "Life" (2008), que era um conceito de show mais teatral.

Enquanto tudo isso é planejado Ricky toma uma respiração profunda e contempla o seu calendário, perguntando-se como ele consegue dividir o seu tempo entre muitos projetos tão diversos. Uma das iniciativas que mais o anima nos dias de hoje é o "Piccolo Universe", um portal de informação que opera na web desde outubro de 2013.

É um lugar onde os pais, educadores e cuidadores infantis podem descobrir, compartilhar, aprender e se conectar com o outro. Promover a variedade de vozes, opiniões e pontos de vista, de modo que os pais podem aprender, por exemplo, por que uma criança fala apenas quando se joga ou encontrar instruções para fazer uma sessão de artesanato. Há espaço também para Ricky, de vez em quando, publica colunas informativas em que testemunha sobre suas experiências com seus filhos.


"Há tanta informação e tantas possibilidades que não posso sentar-me e ficar com as mãos cruzadas", diz ele. "Piccolo Universo é uma ferramenta para os pais que têm muitas perguntas. Como um pai que eu digo, tem que haver alguém passando pela mesma coisa. Inseguranças, incertezas. Nós criamos uma comunidade online com os pais de todo o mundo. Entre todos damos as respostas para as perguntas que temos ", diz o artista, que planeja lançar cinco livros infantis.

Todos os dias Ricky continua a acumular experiências como um pai e tem certeza de que sua família vai continuar a crescer, embora ainda demore um pouco para chegar aquela, que sem dúvida, vai ser a rainha da casa.

"Se fosse pelos fãs eu já tinha umas 12 crianças", ele ri.
"A cada ano que passa nasce a menina. Em um ano como este eu seria irresponsável para trazer uma menina ao mundo porque sou um pai solteiro e quando eu entro em questões de parentalidade eu quero parar tudo e quero gastar pelo menos, todo o primeiro ano com o menina. E eu digo a menina, porque eu posso escolher o sexo, então eu sei que vai ser uma menina. Eu acho que no final deste ano, vamos começar o processo para ela nascer no próximo ano ", explica.

Além de sua carreira e dos projetos de sua fundação, mas trabalhar em tempo integral para Ricky tem dois nomes: Matteo e Valentino. Seu objetivo, segundo disse ele, é que apesar de tão acelerada a sera a vida que ele vive, ambas as as crianças levam uma vida normal em todas as fases.

"Meus filhos nasceram no mundo da arte. Eu não os escolhi para serem os meus filhos. De uma maneira espiritual eles me escolheram. De acordo com as minhas convicções, precisamos passar por um processo karmiko e isto em diferentes vidas e os meus filhos nesta vida precisavam de um pai como eu. Eles são pequenas celebridades e é algo que eu não quero evitar, porque é a nossa realidade. Minha equipe de trabalho protege muito os meus filhos. Meus filhos provocam muito amor, mas não sabaemos com quem eles se encontraram lá fora. Você nunca sabe. Nós os protegemos, tanto quanto o possível, mas eu também quero tenham uma vida normal, para ir ao shopping, que eles possam ir ao parque."

Ricky acrescenta que para os irmãos o seu tempo com o vovô é sagrado. Isso não elimina ninguém. "No verão, meu pai chega em casa às 9 da manhã e chega as 11 horas da noite e meus filhos ainda não retornaram. Dentro da loucura que é a minha vida, meus filhos tem uma vida bastante comum. Eles têm os seus primos. Meu pai tem mais netos. E fazemos o que se pode para eles irem à praia ou ir tomar sorvete", continua ele.

Com tudo isso, no quadro geral e percebendo que cada minuto conta, Ricky deixa a porta aberta para mais oportunidades.

Circulou recentemente em mais de um meio de comunicação que o cineasta espanhol Pedro Almodóvar tinha feito uma abordagem para o boricua, que supostamente teve tempo para pensar sobre se deve ou não aceitar o convite para se juntar ao elenco de um de seus filmes.

"Uau. Que bobagem! Se aparece para mim a oportunidade de trabalhar com um artista como Almodóvar e eu não tenho o que pensar ", diz com firmeza. "Seria um sonho se tornar um dos personagens de Almodovar, mas não é algo que tem sido planejado. Para quem começou o rumor, eu gosto muito da idéia ", conclui.



Fonte: Primera Hora"
Texto: Claudia Salgado