quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Ricky Martin: Pop Star, Sexy Symbol, Yogi, Gay, Pai, um modelo para todo o planeta - GQ Magazine

Olá pessoal!! Abaixo segue a tradução do resumo da entrevista que nosso amado Ricky Martin concedeu a  revista australiana GQ Magazine.

Tradução:

Ricky Martin: Pop Star, Sexy Symbol, Yogi, Gay, Pai um modelo para todo o planeta

Sentado em casa em um dia de julho, em Porto Rico, Ricky Martin percebeu que a data era especial. Ele não tinha pensado sobre esse tempo por um tempo, e isso o fez sorrir. Foi a data em que começou a se apresentar, 29 anos atras, com a porto-riquenha boy band Menudo.

"29 anos?", pergunta ele, incrédulo. "Eu devo estar realmente muito velho."

Hoje, em um úmido (leia-se insuportável) dia de verão em Nova York para fotografar para a GQ, ele aparece em forma e saudável - obscenamente assim - com aquele ar de menino tão arraigado em nossa consciência coletiva nos últimos 15 anos (e mais, se você fosse um fã do Menudo. Alguém?).
Mas ele cresceu em sua aparência - as rugas ao redor dos olhos lhe convêm e deixa o resto do mundo saber que, aos 41 anos, ele não é o garoto com a face jovem que ele já foi um dia. Ele cresceu.

Em suas calças cáqui bege, com uma velha camiseta branca e botas de couro de motocicleta desalinhada, ele poderia ser seu professor de yoga local ou um surfista de Byron Bay, do tipo que você imagina levar a vida a um ritmo tipo de tartaruga.

Para alguém que viveu quase toda a sua vida sob os olhos do público, ele parece surpreendentemente saudável. Dado que ao nível de exposição, você entenderia se ele se transformasse em um idiota completo. Em vez disso, ele exala tal positividade e entusiasmo de olhos arregalados que você não pode deixar de ser pego nele. É o suficiente para fazer você começar a dançar salsa. Ou algo assim.

Essa mesma personalidade otimista fizeram dele um sucesso no The Voice, quando ele entrou como um juiz para a segunda temporada da gigante de televisão. Claro, todos nós já dançamos "Livin 'La Vida Loca' no encharcados de cerveja  aos 21 anos ou no casamento um amigo, mas esperávamos gostar dele tanto assim? Provavelmente não.

Martin não tinha certeza do que esperar no entanto. Tudo o que ele queria era "dar a volta", voltar ao passado. Isso era importante para ele, porque ele sabia onde esses jovens aspirantes estavam vindo.

"Eu olho para eles e vejo-me como uma criança", diz ele, quando nos sentamos em um estúdio armazém no Brooklyn. "Há muito medo, ansiedade e insegurança. Quando você é mais jovem, se alguém diz que você pode fazer algo melhor ou melhorar alguma coisa, você aceita automaticamente e pessoalmente. Imediatamente, você vai faz o que lhe dizem;"eu não sou bom o suficiente? 'Dúvidas e medos constantemente pegam você."

Em comparação com Martin, os outros juízes, sob o peso de questões pessoais, podem ter desejado que ele não tivesse aparecido. Joel Madden vai amaldiçoar sua decisão de permanecer no Star City, Delta foi como Delta, e Seal apenas olhou regiamente chateado que Martin tornou-se amplamente mais amado do que ele. "Senti a efusão de amor e eu podia sentir as críticas também, mas eu adorava isso", diz Martin. "Eu amo a honestidade e a verdade. As pessoas dizem que gostam disso na Austrália."

A resposta foi tão esmagadora que os promotores australianos estavam fazendo fila para pegá-lo no palco, e embora ele tenha chegado com a intenção de turismo, os fogos criativos foram acesos. Ele escreveu uma música, 'Come With Me', que apresentou na final do The Voice, e trabalhar com artistas locais reacendeu-os. Agora, sua turnê programada para outubro, tem toda uma nova geração de fãs que só o conhecem como um juiz no The Voice vai começar a vê-lo sacudir o seu "bon-bon".

Acho que Ricky Martin é notícia de ontem? Pense novamente. Durante a sessão de fotos - no enclave moderno que é Williamsburg no Brooklyn, onde nada além do The Bear Nacional e Grizzly é considerado brega - Martin ainda acumula fãs histéricas. Quando ele sai dos limites do estúdio para filmar na rua, um bando garotas de vinte e poucos anos chega perto rindo e apontando, perturbadas que ele e seus quadris infames estão em uma distância comovente.

Enquanto isso, duas mulheres de uma geração mais velha, que já dirigiram um clássico Camaro 1969 todo o caminho de Long Island para ser usado nas fotos, ficaram muito animadas quando disse que Martin  foi para dentro para mudar suas calças.

Essa é a genialidade do homem, ele pode ter saído publicamente em 2010, mas seu apelo atravessa todas as fronteiras - idade, sexo, sexualidade, hipsterdom  - e ele certamente não tem nenhum problema com isso.

"Por que não?", Ele sorri. "Por que discriminar? Eu amo todo mundo! "

Fotos e Texto orginal: GQ Magazine
Tradução: Claudia Salgado